Quem sou eu

Minha foto
Um amante de esportes, em especial o futebol. Bacharel em Administração, pós-graduado em Finanças e Tecnologia da Informação. No futebol atuou na Vice-Presidência de Administração do Sport Club Internacional de 2007 a 2010 e de 2015 a 2016. Membro da Comissão de Laudos Técnicos dos Estádios pelo Ministério do Esporte e Coordenador-Geral de Modernização da Secretaria Nacional do Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor no Ministério do Esporte em 2011.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

PRECISA-SE DE UM CENTRO-AVANTE

Nasci nos anos 70, tempos de craques jogando no futebol nacional, porém só comecei a ter noção de futebol no final da década. Sempre vi um grande centro-avante comandando a Seleção Brasileira. Careca aposentou, mas já tinha Romário. Romário saiu com Ronaldo dono do posto. Ronaldo não deixou herdeiro.

A Era Careca

Careca, de 1982 a 1993
Tive o prazer de acompanhar Careca assumindo a camisa 9 da Seleção Brasileira. Revelado pelo Guarani, Campeão Brasileiro de 1978, tinha todos os fundamentos. Substituia outro grande, Reinaldo, artilheiro do Atlético MG que sofreu demais com lesões. Careca foi um dos maiores craques dentro da área, goleador com faro de gol, forte habilidade e velocidade.

Em 1982 completava uma Seleção Brasileira perfeita, só feras, grande favorita para a conquista da Copa do Mundo. Porém, sofreu uma grave lesão às vésperas da Copa da Espanha e foi substituído por Serginho. Escolha errada por Telê, pois Dinamite tinha mais as características técnicas daquela seleção.

Transferiu-se em 1983, quando voltou da lesão para o São Paulo. Tornou-se um grande goleador consagrado e titular da Seleção Brasileira em 1986, fazendo excelente Copa do Mundo. Em 1987 partiu para o Napoli e fez dupla com Maradona, um sucesso. Continuou fazendo grande sucesso na Seleção Brasileira, período que surge para o futebol mundial um garoto rápido e baixinho, jogando com a camisa do Vasco e da Seleção Brasileira de categoria de base.

O baixinho Romário

Romário, 1987 a 2001
Em 1988, Romário já era titular da Seleção Brasileira Olímpica, medalha de prata em Seul, e grande jogador na conquista da Copa América de 1989. Muitos já montavam a seleção com Careca e Romário, porém uma lesão no tornozelo tirou Romário da Copa da Itália. Careca foi novamente o avante brasileiro, a última Copa do Mundo deste grande jogador.

Romário já com sucesso na Europa no PSV Eindhoven, transferiu-se para o Barcelona em 1993 e já era considerado o melhor do mundo. Ano que fez a maior atuação de um atacante com a camisa da Seleção Brasilera na vitória de 2x0 contra o Uruguai no Maracanã, dois gols de Romário.

A Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos, foi o auge de sua carreira. Foi o craque da Copa do Mundo, fazendo gols e comandando o Brasil a um título que não conquistávamos desde 1970. Definitivamente escrevia seu nome entre os maiores de todos os tempos. Nesta conquista, um jovem recém revelado para o futebol brasileiro, Ronaldo, estava no grupo campeão, porém não atuou.

Romário voltou em 1995 para o Flamengo e encantava com suas atuações. Ronaldo partia para a Europa, mesmo destino que Romário, o PSV Eindhoven. Romário parte novamente para a Europa em 1996, para o Valência. Em paralelo Ronaldo assume a titularidade da Seleção Brasileira Olímpica, medalha de bronze em Atlanta.

Ronaldo, o Fenômeno

Ronaldo, 1994 a 2006
Em 1997 a dupla de gênios se encontra na Seleção Brasileira. Romário e Ronaldo, a chamada dupla Ro-Ro. Ronaldo, já no Barcelona, era já o melhor do mundo. As esperanças de mais um título mundial ficam balançadas quando Romário, convocado em 1998, é cortado ja na França por causa de um estiramento da panturrilha. Ronaldo assume como o grande craque da seleção e comanda o grupo para a final da Copa do Mundo, porém, uma convulsão e histórias que talvez nunca saibamos, abala a seleção na final e o mundial nos escapa pelos dedos.

Ronaldo é um sucesso mundial. No Barcelona ou na Internazionale, onde ganhou o apelido de Fenômeno, já desponta como um dos maiores de todos os tempos. Mas duas graves lesões no joelho atrapalham a carreira, neste momento ele mostra um grande poder de recuperação. Em 2002, o treinador Felipão acredita em Ronaldo, mas não em Romário. Ronaldo vai para a Copa do Mundo e é o grande craque e goleador da competição. O Brasil é pentacampeão e Ronaldo está na história.

Agora no Real Madrid, o fenômeno ganha o Mundial Interclubes, forma o time chamado de Galácticos com Zidane, Beckham, Figo, Raul e Roberto Carlos. Porém começa a ter problemas com a balança e seu físico não é mais o mesmo. Romário, no Brasil, continua fazendo gols e gols, se aproxima do sonho dos 1.000 gols.

Na Copa do Mundo de 2006, mesmo fora de forma, Ronaldo é a esperança. Novos atacantes surgem, Adriano e Fred são nomes de futuro. Ronaldo faz boa Copa do Mundo, torna-se o maior goleador em copas, mas a seleção cai, novamente frente a França e aos erros de preparação.

Posto vago

Pato, desde 2007
Ronaldo sai da seleção, segue sua carreira no Milan e retorna em 2009 ao Brasil pelo Corinthians. Adriano e Fred são os substitutos. Luis Fabiano chama atenção pela força e raça. O Internacional é campeão do mundo de clubes com um jovem encantador, Alexandre Pato, que transfere-se em 2007 para o Milan. Todos bom jogadores, porém nenhum assume com maestria a vaga de centro-avante da Seleção Brasileira. Luis Fabiano, titular na Copa da África, deixou a desejar no mundial.

Hoje o grande Ronaldo anunciou a aposentadoria no futebol. Um craque se despede. Que seja feliz, ele merece, pois nos fez muito feliz. A vaga de centro-avante na Seleção Brasileira está vaga. Não apareceu dono ainda.

Mano Menezes começou novo ciclo com Alexandre Pato do Milan de titular, jogador jovem que tem muito potencial, porém ninguém sabe se vai confirmar. Adriano tá com a cabeça fora do futebol, não tem mais chances, nem merece. Fred é bom jogador para clube, mas não é jogador de seleção. Luis Fabiano é nível Sevilla, não consegue passar disso e já tem mais de 30 anos. As apostas estão em Alexandre Pato ou em um novo jovem que ainda vai surgir.

Careca, Romário e Ronaldo. Nos acostumamos com craques. A vaga está aberta. Precisa-se de um centro-avante.

Obrigado Ronaldo.

2 comentários:

  1. Grande texto Alexandre, perfeito. Pato é o nome da vez, mas falta um parceiro. Careca, Romario e Ronaldo sempre tiveram fieis escudeiros, dentre eles o grande Bebeto.

    Robinho é uma grande mentira na seleção, quem sabe Neymar não confirme? Tenho minhas dúvidas, eu gostaria muito de ver Pato e Nilmar juntos comandando o ataque da seleção.

    Também gosto muito de escrever, te convido a fazer uma visita no derevesgueiors.blogspot.com

    Espero que goste e parabens pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. Penso que o Careca nao teve o merecido destaque que deveria aqui no Brasil, mas fazer o que ...

    ResponderExcluir